21 de maio de 2017

Vídeo Boulders no Bloco do Bigode em São Bento

Semana retrasada subimos, Vinicius e eu, pro bloco do Bigode. Ele na gana de mandar o Bigode V6 e eu querendo entrar no Tesourados V7 ( que achei muito difícil ou não encontrei os betas certos) ou no apocalipse V8/9 que faltavam antes de entrar na linda aresta ou no Cavanhaque. No final saiu no dia seguinte de primeiro pega para os dois os boulders que queríamos.

O Vinícius editou o vídeo e colocou no youtube, ficou irado!!!



Abraços, e boa semana!!

14 de maio de 2017

São Bento do Sapucaí e uma primeira semana inteira de bom tempo.

Na retaguarda dos meses mais frios e secos aqui no Brasil, essa semana foi de intensidade na escalada: conhecendo coisas novas, mandando antigos projetos e, o que importa, escalando com os amigos.
Escalei alguns boulders novos no Bigode (saiu o Apocalipse e o primeiro tapa do Cavanhaque, além de tirar os lances do Tesourados), no Monjolinho (saiu o Meuprazol e entrei em outros problemas todos novos pra mim, o que é ótimo para desenvolver o "à vista") e no Bloco do Chá (saiu o boulder que faltava das linhas clássicas/não problema, Mate Leão).
Outra experiência massa foi passar alguns dias bivacando. Carregar tudo pra cima e escalar em solitário ainda não é a minha praia mas, depois de ler o relato do Bito de uma conquista na Pedra do Baú em solitário, durante dias bivacando naquele ambiente vertical, tinha que ver qual é. Jeffinho e Felipe, amigos de São Bernardo me deram carona até o topo e de lá caminhei praticamente plano até o ponto de bivac.

No final da semana, Greg, doc e eu fomos para a Falésia do Áreas entrar em uma clássica de São Bento: Pão Careca com Mortadela. O Greg, que é morador de São Bento, me falava direto dessa via como uma das Top 5 ou Top 3 de São Bento. Realmente aquela via é fora de série. Uma fendona em diagonal para a esquerda totalmente negativa e com agarras naturais, boas, sólidas. Dei um pega até a 7 costura, depois fui tirando os moves na tora. É uma via irada, de continuidade e com alguns cruxzinhos no meio.
Infelizmente o sol começa a bater na parede umas 10/11 horas e depois disso o calor vai ficando intenso. Se não entrar uma nuvem fica difícil escalar. Mas se for escalar bem cedinho (talvez subir a trilha de noite) rolam os melhores pegas nas vias da falésia. Existe um 8b na esquerda chamado "Linha de Produção". Ainda não tive a oportunidade de entrar, mas parece ser uma ótima linha também.

São Bento é incrível e tem muitas opções que vão muito além da Pedra da Divisa, Quilombinho ou outros picos que ficam cheios durante algumas certas datas. Ter o "bom senso" de ir para lugares menos frequentados é uma atitude de Mínimo Impacto nas montanhas. Seria interessante também que todo escalador contribuísse com a abertura de novos picos (diretamente com mão na massa ou indiretamente com a doação de chapeletas, bolts aos conquistadores locais, por exemplo).


Jeffinho mandando a Chicken Salad 5º na trilha do Fausto, Bauzinho



Nautilus, proporção aurea, linkcam, noites, vinhos e aperitivos.





Ana Chata. Parede incrível!

A bunda do Baú

Fiquei vislumbrando horas essas paredes durante  feitura do almoço e o café da tarde no gramado do estacionamento da Ana Chata, o camp 4 do Complexo.



Vinicios na primeira enfiada da Galba


Boulders no Bigodera!

Lari saindo no Barba V8. Sotirios e Vini na vibe

Lari, local de São Bento no Barba V8

Sotirios no Barba


Cruzadão monstro no regletinho


Lari no Bigode V6

Vini virando o Buracos V4



Belezinha em uma linha irada


Vini no Meuprazol V7.


Greg no Nice to Michel V6



Greg na base da Falésia do Áreas. Ela fica no topo do morro dos picos de boulder. Existe uma picada aberta e é preciso fazer silêncio no pico por conta de abelhas.


Doc na Pão Careca e mortadela 9b/c


Comecinho em uma laca bem doida

Via longona. 5 estrelhas!!


Final da linha, a negatividade é demais!! Pardal mandou muito bem em equipar esse clássico!


Abraços, Frango.

2 de maio de 2017

São Bento e começo de temporada

Como em todo lugar do mundo as temporadas de escalada são correspondentes aos meses de melhor condições meteoreológicas. Nos países nórdicos isso significa pouca neve, temperaturas menos geladas. No Brasil a temporada começa quando as águas começam a baixar, entra o friozinho do inverno e a umidade relativa fica perfeita para as mãos ficarem mais secas. Esse mês estamos em uma transição, algumas chuvas ainda caem, mas trazendo frio. São Bento essa semana foi assim: tempo fechado com pouca precipitação e queda gradativa da temperatura: sinal de que teremos em pouco tempo condições perfeitas para aquelas cadenas de projetos limites, dias inteiros de climb perfeito nas paredes.

Cheguei em São Bento na terça. Escalamos alguns boulders já qu o tempo continuava fechado e também para dar uma aclimatada (quarta no Quilombinho e sexta no Cruzeiro). Ainda fomos para o Quilombo, Pedra da Divisa e Pedra do Baú. São Bento é incrível!!

Boulders no Quilombinho, na matinha à esquerda pra quem sobe a trilha para as vias. Tem boulder antigo, boulder mais antigo ainda e muita linha pra abrir. Limpamos um bloco menor, na entrada e escalamos três linhas. Algumas variantes são possíveis. Outros blocos estão praticamente virgens, esperando serem escalados.


Sotirius, morador de São Bento em uma das linhas limpas.

Vinícius Assis em um V2

Pedra do Baú vista dos boulders


Travessia limpa por nós: V4 de regletinhos (já escalada? muitas agarras quebrando)

Aproveitando a onda do boulder e também pra dar uma boa aclimatada no granitão e partir pras vias fizemos um dia muito bom de boulder no setor Cruzeiro em Gonçalves-MG. Entramos em 7 boulders, fiz 5 deles.

Hiperespaço, V3 muito visual. 5 estrelas

Koberle à vista no Hiperespaço V3

Koberle mandando o Faber Castell V4

Vinícius em um boulder hard no setor.


Sai de batentão, morde uma sequência de regletinhos pra acabar no batentão da borda.

Formas e cores!

Formas e cores

Formas e cores

Escalada no Quilombo. Nesse dia saiu a 13 de Maio, via mais nova do setor.

Complexo do Baú coberto pelas nuvens.

Domingo foi dia do Baú tomar um sol.

Com tempo bom no domingo as paredes secaram e pudemos subir para o complexo na segunda feira. Fizemos a Transbaú, via de 280 metros com três crux bem definidos, em dois negativinhos e no final em um vertical técnico, todos bem protegidos. Acredito que o único trecho que a via seja E3 é uma enfiada no começo em que se estica uns 30 metros em platô de mato/pedra. Tirando isso, que se for com calma, respirando bem, da pra passar tranquilamente, a via é superbem protegida. É uma ótima opção para quem quer começar a escalar em parede, utilizar proteção móvel, de várias enfiadas, mas ainda quer ter a margem de segurança da esportiva (E1/2). Acredito ser uma via clássica se comparada às outras. Pela sua história: conquistada por Karina Filgueiras em 2011 em solitário. Pela estética e pela escalada em si. Algumas enfiadas são incrivelmente bonitas (as com negativos e jardins verticais).

Coimbra visto da subida para o Baú logo cedinho.

Partiu pra cima!


Cumbre!! Escalamos a Transbaú das 8:30 as 11:00, emendando somete uma cordada (a travessia horizontal do final). Da próxima, conhecendo a via, da pra baixar o tempo e começar a pensar no Bigmil.
Abraços, Frango.